Cartier-Bresson: O instante decisivo



Henri Cartier-Bresson nasceu em 22 de agosto de 1908, em Paris.

O grande poeta das imagens, o artista inato, o descomplicado e genial fotógrafo: essas são algumas das definições deste que, sem questionar muito, foi um dos mestres da fotografia do século XX.

Para saber mais sobre o eterno fotógrafo Cartier-Bresson clique aqui.
Para ‘revelar’ o mundo é preciso sentir-se implicado no que se enquadra através do visor. Essa atitude exige disciplina de espírito, sensibilidade e senso de geometria. É através de uma grande economia de meios que chegamos à sensibilidade de expressão. Deve-se sempre fotografar com o maior respeito ao sujeito e a si próprio. Fotografar é segurar o fôlego quando todas as nossas faculdades se conjugam diante da realidade fugidia; é quando a captura da imagem representa uma grande alegria física e intelectual.”Henri Cartier-Bresson
Sempre buscando captar a vida humana e seus pequenos dramas diários, Bresson desprezava assim as fotos arranjadas, produzidas e montadas, registrando, portanto à vida em seus imediatos e pequenos efêmeros instantes. Edificou o conceito de “instante decisivo” que significa o momento fundamental de alguma situação qualquer. 


#Instante 1
 “A gente olha e pensa: Quando aperto? Agora? Agora? Agora?Entende? A emoção vai subindo e, de repente, pronto. É como um orgasmo, tem uma hora que explode. Ou temos o instante certo, ou o perdemos…e não podemos recomeçar…” 
Gare St Lazare, Paris, 1932
Foto: Magnum Photos

#Instante 2

“O que importa é o olhar. Mas as pessoas não olham, a maioria não observa, apenas aperta o botão.”

Casal em Paris, em 1968
Foto: Magnum Photos

#Instante 3

“Fotografar é um meio de compreender, que não pode se separar dos outros meios de expressão visual. É uma forma de gritar, de se liberar e não de provar ou de afirmar sua própria originalidade.”

Martine’s Legs, 1967
Foto: Magnum Photos
  

#Instante 4

“Sensibilidade, intuição... senso de geometria. Nada mais”

Hyeres, France, 1932
Foto: Magnum Photos

#Instante 5


“É preciso esquecer-se, esquecer a máquina... estar vivo e olhar. É o único meio de expressão do instante. E para mim só o instante importa... e é por isto que adoro, não diria a fotografia....mas a reportagem fotográfica, ou seja, estar presente, participar, testemunhar...”

Queen Charlotte’s Ball, London, 1959
Foto: Magnum Photos

#Instante 6

“Fotografar é colocar, na mesma linha de mira, a cabeça, o olho e o coração”

Mannhattan, New York, 1968
Foto: Magnum Photos


Ele escreveu uma história de sucesso como fotógrafo, entre altos e baixos nada fez com que Henri abrisse mão da sua verdadeira paixão. A fotografia transformou sua vida, e as suas fotografias transformaram e transformam a vida de gerações e gerações de fotógrafos. 

“Para mim a câmera é um caderno de rascunhos, um instrumento de intuição e espontaneidade, o mestre do instante onde, em termos visuais, questiona e decide ao mesmo tempo. Para poder dar um significado ao mundo, é preciso se sentir envolvido com o que é visto através da câmera. Essa atitude requer concentração, disciplina, sensibilidade e senso de geometria. É pela economia dos meios que chegamos à simplicidade da expressão.

Tirar uma fotografia significa reconhecer - simultaneamente e em uma fração de segundos - o fato em si e os elementos visuais que formam seu significado.
É colocar a cabeça, os olhos e o coração e alguém no mesmo eixo.” Henri Cartier-Bresson.

Share on Google Plus

Sobre Lucas Almeida

Lucas Almeida, 20, cearense, é estudanste de jornalismo. Tem interesse em Assessoria de Imprensa, Web Jornalismo e Audiovisual. Criou o blog Papos da Raposa com a finalidade de ajudar estudantes de jornalismo através de artigos, dicas, entre outras categorias.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. Lucas, seria muito bom você publicar mais matérias sobre fotografias. Você sabe falar sobre o assunto. Por favor, atualize mais sobre fotografias. Sucesso garoto, seu blog é muito show!!! Abraços querido!

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo no Blog Papos da Raposa. Ah, e obrigado pelo o comentário. Volte sempre!